Voar é Sentir

Um dia antes do natal de 2005, eu tive o prazer de experimentar uma nova emoção. Mesmo tendo cursado uma universidade de Psicologia e possuir cerca de 6.000 horas de vôo em planadores, esse esporte é capaz de trazer-nos sempre novos ensinamentos e grandes aventuras.

Dia 24/12/2005 um belo dia de vôo em nosso clube "Wellington Gliding Club" tive a oportunidade de realizar um vôo com um passageiro cego (100%), que me pediu que falasse a todo momento o que estava se passando. Não foi fácil para mim, sou Brasileiro e estou aprendendo uma nova língua, mas diante as dificuldades sempre encontramos novos caminhos.

Assim que decolamos comecei a descrever a linda vista da ilha Kapiti, as diversas cores que o mar oferecia meio à sombra das nuvens, contrastada ao verde belíssimo das montanhas. A impossibilidade de enxergar e a dificuldade de nos comunicarmos juntas criaram uma nova forma de expressão que talvez seja particular do vôo a vela, "o sentir".

Pedi-lhe que colocasse a sua mão direita no manche e ouvisse o barulho do vento que entrava pela janela com as diferentes velocidades. Inicialmente 50 kt, depois 60 kt e 70 kt, ok? Ok, respondeu ele. Posteriormente demonstrei as inclinações de 20 graus, 30 graus e 45 graus. Suavemente ele começou a pilotar e eu o acompanhava com os pedais e assim voamos por cerca de 1:20 hs. Entre térmicas pedia-lhe que voasse mais veloz, cerca de 70 kt, incrivelmente a margem de erro era inferior a 5 kt, da mesma forma ocorria quando voávamos em térmica, 50 kt com 30 graus de inclinação e lá estávamos nós, "um aluno cego com um instrutor quase mudo", entendendo perfeitamente, a fantástica forca da natureza.

Assumi o controle novamente no circuito de tráfego realizando uma contagem regressiva até o momento do toque na pista para que ele sentisse também a sensação exata do pouso. Ao sairmos do planador ele me abraçou e agradeceu dizendo:

- Este foi o meu terceiro e melhor vôo de planador, pois pela primeira vez eu senti que estava pilotando.

Como psicólogo posso dizer:

- Nossas limitações nunca serão maiores que nossos desejos.

Como piloto de planador digo:

- Que esporte maravilhoso é esse, capaz de unir deficiências, pessoas e nações diferentes num só ato, "A simples e bela arte de voar".

E finalmente como pessoa só poderia agradecer o privilégio deste momento mágico

"Obrigado Papai Noel".

Autor: Luis Improta

Comments