Artigos‎ > ‎

Pilotos Rebocadores

UM TESOURO QUE DEVEMOS PRESERVAR

Sempre que há um acidente ou incidente envolvendo um rebocador, há uma pergunta que eu sempre ouço. Por que o piloto do rebocador não desligou?
Deixe-me explicar. Primeiro deve ser dito que, na maioria das vezes, eles são excelentes aviadores. Na maioria das vezes eles também são pilotos de planador. Em outras palavras eles conhecem as duas "pontas da corda". Um dos maiores receios do rebocador é ter que desligar um planador antes que seja  absolutamente necessário. À baixa altura, ele sabe  que a chance de um acidente é bem grande. Por isso os rebocadores não querem puxar o desligador. O rebocador provavelmente conhece o piloto do planador e até pode ser um dos donos do planador sendo rebocado. Parece que tudo tende a fazer com que ele espere um pouquinho mais antes de decidir puxar o desligador.

Não pense, nem por um minuto, que o rebocador não sabe que você está ficando alto. Ele pode sentir instantaneamente que a sua cauda está sendo levantada. Quando as coisas começam a ficar complicadas durante o reboque, o piloto do rebocador acredita que pode esperar um pouco mais na expectativa  que o piloto do planador  controle a situação. O rebocador quer ajudar o planador a sair da situação. Ele agüenta firme e sabe que as coisas estão ruins, mas ele continua aguardando um pouco mais. Em muitos casos ele espera e o planador controlar a situação. Entretanto, mais freqüentemente do que desejamos, o rebocador espera demais e aí não há mais solução.

Houve um bate-boca na internet sobre um acidente nos USA. Alguns acreditam que o rebocador desligou o planador (o que depois foi provado não ser verdade). Houve alguma reclamação  dos pilotos de planador sobre o rebocador com frases do tipo: "O rebocador só deve desligar quando o planador está absolutamente em perigo". "O piloto do planador é que deve decidir quando desligar". Essa última frase está completamente errada.

Há duas situações onde o piloto do planador deve desligar. Onde não há outra escolha. Não há decisões a serem tomadas. Uma é quando o rebocador balança as asas. A outra é quando o planador perde o rebocador de vista. Eu repito. Não há escolha nessas situações. O planador deve desligar imediatamente. Aparentemente o segundo caso é que vem causando alguns problemas. Sempre há alguma desculpa: "Eu encontrei uma térmica muito forte" . "Eu estava muito ocupado tentando fechar o canopi!!". "Eu estava ocupado fechando os freios". Nenhuma destas é uma desculpa aceitável para não desligar se você ficar tão alto a ponto de não ver mais o rebocador. Não há nada mais desculpas esfarrapadas para não se fazer o que se é treinado para fazer. Você deve desligar imediatamente se perder o avião de vista. Não importa que altura está. É complicado se você estiver baixo, mas mesmo assim você deve desligar. Não espere que o rebocador pague pela sua falta de habilidade para manter-se na posição correta no reboque.

Pode ocorrer a situação onde a performance do rebocador fica tão ruim, que ele está voando tão mal, que é impossível  balançar as asas. Isso pode ocorrer numa área de turbulência (rotores) ou por falha no motor.

Essa é uma situação que decidir o desligamento é mais complicado. Porém, na dúvida, desligue. O rebocador voará bem melhor sem o nosso peso e o planador tem grande chance de alcançar um lugar seguro para um pouso fora ou até a própria pista.

Pilotos de rebocador são muito valiosos para o nosso esporte. Vamos tratá-los dessa forma. Da próxima vez que estiver no campo dê um abraço no rebocador e agradeça a ele por possibilitar que você se divirta voando.

E depois quando for para o planador diga para você mesmo que irá voar de maneira a nunca botar a vida dessa pessoa em risco.

Texto original de Frank Reid.
Tradução e adaptação CVV-CTA.