Artigos‎ > ‎

Ética Profissional na Aviação

Existe uma grande diferença entre Voar e Aviação, notamos que muitos de nossos pilotos da Comunidade Aeronáutica sabem a diferença, devido a sua formação familiar ou por leituras especificas que ressaltam a paixão do vôo e não somente por sua utilização como sustento financeiro.

Muitos de nossos companheiros lutam para resgatar nosso vôo nostálgico, amparados na evolução dos estudos de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos, nós somos aquela pequena parcela da humanidade que realmente faz o que deseja neste mundo, por isto a maior responsabilidade de o faze-lo com exemplo de profissionalismo, com amor , com ética.

Sabemos que existe um desmoronamento dos valores morais, do aumento da corrupção em todos os setores, do sensacionalismo da parte da mídia que pouco se importa com os efeitos gerados no público e lamentavelmente observa-se isto nos acidentes aeronáuticos, assim sendo são muitos os aeronautas que se preocupam com a volta da ética na aviação.

Não há como se enganar, os eventos que atraímos para nós, não importa quanto desagradáveis sejam, eles são ÉTICA PROFISSIONAL NA AVIAÇÃO, afim de aprendermos o que precisamos saber, quaisquer passos que venhamos a dar são necessários para alcançar os lugares para os quais resolvemos seguir, e estes passos no decorrer de nossa rota devem ser norteados de ética.

Este artigo irá citar o conceito de ética, para que possamos melhor entender o objetivo final. A origem da palavra ética nos traz duas traduções, uma seria "moral" e, a outra "propriedade de caráter". Aristóteles tinha designado suas investigações téorico-morais, então denominadas como éticas, como investigações sobre as propriedades do caráter, as assim chamadas virtudes e vícios. No entanto ética pode ser um conjunto de regras, princípios ou maneiras de pensar, que guiam as ações de um grupo em particular, ou o estudo sistemático da argumentação sobre como devemos agir.

Deixamos de lado a teoria subjetiva e perguntamos então, o que é ser ético ou o que é ter ética? Difícil pergunta, pois varia de pessoa para pessoa, é uma daquelas coisas que todo mundo sabe o que é, mas não são fáceis de explicar, pois os valores éticos podem se transformar assim como a sociedade se transforma, cabe ao autor de acordo com suas leituras tentar responde-la, sem ter a presunção de estar encerrando o assunto ou estar totalmente certo, mas com a responsabilidade de alinhar com a final curta em um procedimento de pouso de precisão, em uma condição de IMC (condição meteorológica instrumento).

Ser ético é ser consciente, é não contentar-se com a experiência do prazer para si, e sim com a necessidade de proporcionar tal prazer aos demais. Ter ética é responsabilizar-se por seus atos e assim agindo apenas dentro dos padrões do bem comum. Ou seja agir eticamente é agir de acordo com o bem.

Trazendo para nossa realidade de vôos, para nossa comunidade aeronáutica de pilotos ou tripulantes Operacionais, vislumbramos que a nossa profissão sonhada por muitos, tem como a utilidade para o indivíduo uma rara expressão social e moral, pois é através dela que o indivíduo se destaca e se realiza plenamente, provando sua capacidade, habilidade, sabedoria e inteligência, comprovando sua personalidade para vencer obstáculos.

É através dela que o homem consegue elevar seu nível moral, que o homem pode ser útil a sua comunidade e nela decolar para a felicidade.

Assim sendo a ética não deve ser confundida com a moral. Esta polícia interior , o superego rígido e repressivo, leva a condutas aberrantes e contraditórias e em geral inconscientes, como por exemplo: em nome da paz, cultivam a raiva e agridem os que estão com raiva, em nome da tolerância, ficam intolerantes em relação aos intolerantes, criticam as más-línguas e acabam sendo iguais a elas, em nome da igualdade, combatem os orgulhosos, julgando-se com isso superiores a eles, o que é em si sinal de orgulho.

Por trás desses comportamentos existe insuficiência de formação ética, manifestada em descarregar nos outros as nossas próprias negatividades, a nossa sombra, o mal é projetado para os outros pois ninguém quer ficar com sentimento de imperfeição e culpa, todos querem passar estas palavras para o outro.

Sabemos que a filosofia SIPAER, elimina estas palavras do dicionário aeronáutico ou simbolicamente do nosso Check List, buscando sempre a perfeição através da prevenção. Buda já dizia: " Se tu diriges um dedo acusador para outrem, tem três dedos apontando na tua direção." E Jesus disse: " Tu vês a palha no olho do outro, mas não vês a trava que está no teu."

Atendo para o cuidado que devemos ter devido as inúmeras punições adotadas no nosso sistema militar ou ainda dos educadores mais ortodoxos e sua permanente atitude de culpabilidade deixaram nas pessoas um sentimento de culpa do qual se livram procurando um Bode expiatório.

Dando origem a cópias humanas, a clones. O comandante muitas vezes faz algo errado ou omite um procedimento de segurança e o co-piloto o segue cegamente, pensando que esta certo. Relato uma pequena historia para tentar explicar a Ética autêntica, conhecida do mestre Zen que costumava apontar o dedo para o público a fim de mostrar simbolicamente que tudo é um. Um de seus discípulos começou a imita-lo. O mestre pegou um machado e lhe cortou o dedo. Neste mesmo instante, o discípulo se iluminou. Esta historia, evidentemente simbólica, indica que, para adquirirmos uma Ética autêntica, esta tem que ser despertada de dentro de nós mesmos, não pode ser fruto de imitação ou de educação.

O valor profissional deve acompanhar-se sempre de um valor ético para que exista uma integral imagem de qualidade. Quando só existe a competência técnica e cientifica e não existe uma conduta virtuosa, a tendência é de que o conceito, no campo do trabalho, possa abalar-se, notadamente em profissões que lidam com maiores riscos.

Muitas são as virtudes que um profissional precisa ter para que desenvolva com eficácia seu trabalho. E entre elas destacam-se algumas, básicas, sem as quais não se consegue a realização de um exercício ético competente, seja qual for a natureza dos serviços prestados.

Tais virtudes, como zelo, a honestidade, o sigilo, a competência devem formar a consciência ética estrutural, os alicerces do caráter e, em conjunto, habilitarem e capacitarem o profissional ao êxito em seu desempenho, propiciando o piloto a descobrir que nuvens não cobrem o mundo e que existe liberdade no céu, que será usufruída em sua máxima plenitude se o piloto ou tripulante souber encontrar o seu equilíbrio.

Além das virtudes básicas ou imprescindíveis a uma conduta eficaz fundamental, diversas outras também se fazem necessárias para que alcance uma posição integral, no campo da convivência profissional. Entre elas a orientação e assistência ao companheiro de forma ética, a ética do coleguismo, fundamentada na fraternidade profissional, com absoluta solidariedade.

É sabido que a conduta do ser humano tende ao egoísmo, mas para os interesses de uma classe, de toda uma sociedade, é preciso que se acomode as normas porque estas devem estar apoiadas em princípios de virtude.

E como só a atitude virtuosa, feita de verdade e alegria, teremos condições para garantir o bem comum, a ética poderá ser um caminho justo , adequado para o beneficio geral e engrandecimento da nossa amada aviação.

Fontes: Livros: O Dom de Voar, A Ponte para o Sempre – Richard Bach, Vôo Noturno e Piloto de Guerra – Saint Exupery, Cod. Ética da OAB, (Editora Brasiliense) e Textos da Matéria Deontologia Jurídica.

Fonte: Site Asas Brasil. www.asasbrasil.com.br
Autor: Edemilson Lopes
1º Tenente do GRAER/PMSC
Piloto Comercial Helicóptero e Avião / IFR
Acadêmico do Curso Ciências Jurídicas da UFSC.
Copyright: Material cedido pelo Site Asas Brasil - Todos os direitos reservados