casa de cultura dide brandão/ itajaí/ sc



ler, escrever e contar

Difícil escrever para quatro grandes amigos, ainda mais sendo artistas tão empenhados e com produções tão consistentes. 
As questões da memória são uma constante nos projetos apresentados na mostra Ler, escrever e contar, que, obviamente, dizem muito de cada participante (os artistas Élcio Miazaki, Mariana Whately, Weimar e Yolanda Cipriano).
O título da mostra pode ser entendido também como absorver, propor e instigar.
Ao serem aproximadas e compartilharem de uma mesma sala expositiva, as obras da mostra se contaminam, umas às outras, numa simbiose. É como se perdessem suas autorias, mas, ao mesmo tempo, ganham força e se apresentam como uma instalação, um convite ao silêncio e à reflexão.
A mostra traz um saudosismo enunciado pelos objetos, textos e gestos presentes nos projetos dos artistas. Juntos, fazem referência aos afetos, às escolhas, às perdas, revendo ou rememorando algo. 
A exposição ativa a própria edificação histórica que a acolhe. Assim, esse projeto coletivo passa a se configurar como um site specific e nos proporciona uma reflexão sobre a nossa própria existência, a nossa permanência e, acima de tudo, a nossa resistência.
Revisitar objetos, gestos, textos e a própria edificação... será sempre uma nova experiência, já que nos transformamos a todo tempo.
 
Nilton Campos


(Nilton Campos é arquiteto e urbanista, artista visual com várias exposições e realização de cursos e oficinas práticas. É também conservador/restaurador de obras de arte. Participações como membro de comissões de seleção e premiação de salões de arte e outros. Trabalha na Secretaria Municipal da Cultura de Ribeirão Preto-SP desde 2002, como diretor do MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi, onde atua também na coordenação do educativo e na organização e conservação do acervo e do arquivo do Museu. Realiza projetos de curadoria, expografia, programação visual, projeto gráfico e outros, para o MARP, instituições brasileiras e para projetos e espaços independentes. É conselheiro do CONPPAC - Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural, do COMUR - Conselho Municipal de Urbanismo e da Casa da Memória Italiana, em Ribeirão Preto-SP)

'Ame-se'
2019, madeira, tinta automotiva, giz escolar

"Ajude a pessoa que você vai tentar ajudar, sem espírito de censura ou ridículo" em letras 'caixa' na cor verde lousa (que também remete ao verde militar) em que as mesmas letras recebem outras escritas "... não o recrimine ou o despreze pelo seu modo de sentir ou agir" em giz branco e que correspondem à continuação do primeiro trecho. O giz fica disponível para ação do público. O título, 'Ame-se', foi adotado a partir da uma intervenção, em que o visitante sinalizou as letras que formam a conjugação verbal.


'Socorros psicológicos'
2018, fac-símiles impressos, gaveta de aço

Um capítulo na íntegra que foi retirado devido à ditadura militar e que não retornou mesmo com a redemocratização na década de 1980, é disponibilizado em grande tiragem, como uma forma de prover aqueles guias de treinamento que não receberam esse conteúdo.






(acima, projeto enviado)
na montagem no local, a frase foi aplicada próxima ao chão, acima do rodapé, numa linha contínua, ao longo de três paredes